(11) 5087-8861 | secretaria1@anfarlog.org.br

18 set 2017

Indicadores de uma logística bem-sucedida

Este artigo foca em uma área estratégica na cadeia logística de estudos clínicos: seus indicadores.

Em linhas gerais, os estudos clínicos e estudos de terapia celular ou gênica podem claramente ser mensurados pelos benefícios trazidos a seus pacientes. Os pacientes receberam a terapia que necessitavam? As terapias ofereceram os resultados esperados?

Provedores de soluções e serviços logísticos, por sua vez, não podem controlar a efetividade de uma terapia mas, certamente, contribuem com o sucesso da mesma. Nosso trabalho é assegurar que as medicações e amostras cheguem onde precisam, quando os pacientes precisam e nas mesmas condições de quando deixaram o laboratório ou local de coleta.

Medir a performance da cadeia logística é um trabalho de equipe. Para os provedores de logística, as métricas colaboram para identificar áreas de excelência, de potencial melhoria ou de refinamento futuro necessário. Para os responsáveis pelo estudo clínico ou para a organização que gerencia o estudo clínico (CRO), as métricas referentes ao prestador de serviços logísticos são cada vez mais sofisticadas e têm como objetivo a mensuração da qualidade do serviço prestado e a avaliação de uma potencial recontratação.

Em resumo, a performance do parceiro logístico servirá de base para firmar novas oportunidades negócios. E vale relembrar aqui alguns indicadores de sucesso:

  • Assegurar a entrega no momento acordado
  • Manter compliance regulatória
  • Minimizar excursões de temperatura
  • Aderência às boas práticas (GxP)
  • Manter os altos padrões de qualidade e excelência
  • Otimizar a produção
  • Minimizar excessos e faltas

Quando consideramos a natureza altamente delicada da maioria dos embarques relacionados a estudos clínicos, se faz necessária a seleção de indicadores que garantam não apenas entregas em tempo ótimo, mas também a manutenção das condições de temperatura ideias de cada produto enviado. A evolução das tecnologias de monitoramento de temperatura, por exemplo, torna possível garantir que os produtos sejam transportados nas faixas de temperatura mais adequadas com extrema precisão.

Após a seleção dos indicadores mais adequados para o acompanhamento de cada atividade, caberá ao gestor logístico realizar o monitoramento dos mesmos para garantir uma operação eficiente e segura. Nessa etapa, é essencial que gatilhos sejam criados para alertar qualquer tendência de comportamento indesejado na operação logística.

Além disso, os provedores de soluções e serviços logísticos devem estar sempre preparados para emergências e acontecimentos inesperados e incontroláveis, como greves alfandegárias e intempéries climáticas. Para isso, planos de contingência devem ser elaborados, testados e periodicamente revisados para garantir que a operação logística não pare nunca.

Como eu sempre digo, o mercado tem sido cada vez mais exigente e cabe a nós, como parceiros de soluções, atender a essas necessidades e lembrar sempre: o paciente é o foco de nossa missão de vida e isto deve sempre nos motivar a continuar nossa jornada.

Jaqueline Escotero é vice-presidente para a América Latina da World Courier

Olho: “Nosso trabalho é assegurar que as medicações e amostras cheguem onde precisam, quando os pacientes precisam e nas mesmas condições de quando deixaram o laboratório ou local de coleta”.

Pular para a barra de ferramentas